Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Escritos Dispersos

"Todos começamos por ser crianças." "Com tempo, perseverança e esperança, tudo se alcança."

Escritos Dispersos

"Todos começamos por ser crianças." "Com tempo, perseverança e esperança, tudo se alcança."

Diploma e distintivo de dador de sangue...

Exm.º Senhor

Presidente do Conselho Directivo do Instituto Português do Sangue, I. P.

 

  

(NOME COMPLETO), estado civil, profissão ou situação profissional, residente na (ENDEREÇO POSTAL), vem requerer a V.ª Ex.ª que lhe seja atribuído o diploma e o distintivo para galardoar a dedicação inerente à oportuna dádiva benévola de sangue, pedido que faz nos termos conjugados das normas legais constantes do Decreto-Lei n.º 294/1990, de 21 de Setembro, da Portaria n.º 1075/1991, de 23 de Outubro, e demais normas legais aplicáveis, com os seguintes fundamentos:

 

1 – O requerente contribuiu através de dez (10) doações benévolas do seu sangue, sendo presumível que colaborou para a recuperação da saúde, ou manutenção da própria vida, de alguns doentes e acidentados;

 

2 – Com efeito, efectuou dez dádivas benévolas do seu sangue nas seguintes datas: 15 de Fevereiro de 1992, 23 de Maio de 1992, 12 de Setembro de 1994, 19 de Maio de 1995, 2 de Janeiro de 1996, 8 de Abril de 1996, 20 de Março de 1997, 30 de Julho de 1997, 6 de Agosto de 1998 e 27 de Janeiro de 1999 (cfr. cópia de documentos que anexa).

 

Assim, solicita a V.ª Ex.ª que lhe seja concedido o diploma de dador de sangue, bem como o distintivo de dador de sangue.

 

Pede deferimento,

 

Lisboa, 21 de Janeiro de 2011

 

____________________________________________ 

 

 

N. B: Pode, também, ser isento de pagamento das taxas moderadoras todo o dador de sangue que, impedido definitivamente, por razões clínicas ou limite de idade, para a dádiva de sangue (65 anos), tenha alcançado pelo menos o diploma de dador de sangue, equivalente a 10 dádivas válidas efectuadas, previsto no n.º 3 do artigo 27.º do Decreto-Lei n.º 294/1990, de 21 de Setembro.

 

A Portaria n.º 255/2011, de 1 de Julho - Aprova o novo modelo do cartão nacional de dador de sangue e revoga a Portaria n.º 790/2001, de 23 de Julho.

 

A informação constante neste blog não substitui o aconselhamento legal especializado em circunstâncias individuais.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

VISITAS

VISITAS